Um lugar de silêncio, oração e contemplação. Assim é o Carmelo de Aparecida (SP). Localizado próximo ao Seminário Bom Jesus, o lugar abriga 24 irmãs, que formam a comunidade local. Desde o dia 7 de dezembro de 1952, as religiosas realizam seu trabalho sob o olhar da Padroeira do Brasil. Nesta data, as carmelitas que viviam em Mogi das Cruzes (SP) há vinte anos chegaram à Aparecida. O primeiro local a ser visitado foi a Matriz-Basílica, que na época abrigava a Imagem de Nossa Senhora.

O Carmelo e o Santuário – Comemorando 65 anos de inauguração em 2017, o local possui estreita ligação com o Santuário Nacional. Isso pode não ficar claro quando se chega no local, já que as religiosas vivem atrás das grades, exigência papal da clausura, e só saem de lá para consultas médicas. Porém, a história demonstra a forte presença da Congregação junto a história moderna da devoção à Nossa Senhora Aparecida.

“A partir da nossa chegada, a Imagem original passou a usar mantos fabricados por nós. Essa tradição seguiu até 2013. Na época, as irmãs Bernadete e Marta Maria bordavam o manto para Nossa Senhora. Já as fac-símiles passaram a ganhar um manto especial para a Novena em 2009, quando presenteamos pela primeira vez nossa Padroeira. De lá para cá se tornou tradição”, destaca a religiosa.

Em 2012, mais uma vez as Carmelitas integraram a história do Santuário Nacional, mais precisamente no projeto da Cúpula Central. Em março daquele ano, as religiosas iniciaram a confecção das parcelas dos mantos distribuídos aos participantes da Campanha dos Devotos que auxiliaram na obra do baldaquino e do domo sobre o Altar Central.

“Dom Darci, que na época era padre Darci, nos confiou a missão de fazer as relíquias do manto. Cortávamos e colávamos um por um, fazendo um trabalho que só se encerrou o ano passado”. A atividade, embora feita de forma simples, ganhava uma motivação especial. “Nós fazíamos com muita oração, pois aquela peça tocou nela em um momento especial. Já rezávamos por todos os que iam receber o mantinho em suas casas”, recorda a madre.

 

Para a peregrinação da Imagem Jubilar nas capitais dos estados brasileiros, mais uma vez as habilidosas mãos das Carmelitas entraram em ação. Elas foram responsáveis por confeccionar entre 2014 e 2017 os mantos utilizados na peregrinação que celebrou os 300 anos de devoção dos brasileiros à sua Padroeira. Os artefatos estão expostos no circuito de visitação á Cúpula e podem ser vistos de perto pelo público.

Além das contribuições físicas, as ligações espirituais também estão presentes na história do Mosteiro. A obra, por exemplo, foi arquitetada por Benedito Calixto, que também projetou a Basílica de Aparecida. Na estrutura, também foram utilizados tijolinhos a vista, mesmo material usado na construção do maior templo mariano do mundo. “A gente vê nisso a Providência de Deus. Não foi algo combinado, mas acabou acontecendo”, afirma madre Maria.

Outro ponto alto para as monjas acontece durante a Novena e Festa da Padroeira. No mosteiro, longe da tecnologia, os aparelhos eletrônicos são utilizados raras vezes. “A Novena de Nossa Senhora Aparecida é o único momento em que assistimos a televisão. Acompanhamos a Novena da noite cantando e rezando”. Ainda em outubro, as irmãs aproveitaram o período da tarde para adornar o altar da sala em que se reúnem para rezar.

De Aparecida para o Brasil – A religiosa também afirma que Nossa Senhora Aparecida inspirou outros três conventos carmelitas. “É como se Nossa Senhora enviasse essas nossas irmãs para irem em missão. Sem dúvida Ela inspirou esse envio das irmãs na fundação destes outros mosteiros”, comenta.

As fundações saídas de Aparecida aconteceram em dois estados diferentes. Um convento foi instalado no estado de São Paulo, em Cotia e outros dois em Minas Gerais, nas cidades de Passos e Três Pontas. Este último é bastante conhecido por ter sido fundado pela Serva de Deus Madre Tereza Margarida.

Uma história de santidade 
Conhecida como “Nossa Mãe”, a religiosa morreu com fama de santidade e atualmente encontra-se em processo de beatificação. Seu exemplo até hoje inspira as Carmelitas de Três Pontas (MG), conforme conta a irmã Maria Elisabeth da Trindade, do Carmelo mineiro. “A vocação da Serva de Deus nasceu na Casa de Nossa Senhora Aparecida, quando ela veio visitar a Imagem com sua família. Ela nutria uma devoção muito grande e esta devoção foi passada para nós, suas filhas espirituais”, ressalta.

Madre Tereza viveu por muitos anos em Aparecida antes de partir para Três Pontas. Em suas memórias é possível encontrar a descrição do dia em que deixaram a terra da Padroeira do Brasil rumo a nova fundação. “Passamos na Basílica para despedirmo-nos de Nossa Mãe e Rainha e pedir-lhe a bênção para a viagem e para o novo Carmelo. Saindo de Aparecida, Monsenhor Mesquita entoou e nós cantamos com muito fervor ‘Viva a Mãe de Deus e nossa’!”, escreveu a Serva de Deus. Ao sair, levou uma imagem de Nossa Senhora Aparecida que até hoje é venerada pela comunidade do convento.

Vocações sob o manto da Mãe – Atualmente, o Carmelo de Aparecida encontra-se lotado. A comunidade conta hoje com uma licença especial para abrigar três religiosas a mais do que o normal. “Nosso Carmelo é composto em sua maioria por irmãs jovens. Estamos também acompanhando outras que desejam ingressar na vida religiosa”, conta madre Elisabeth. Apesar disso, o Mosteiro encaminha as vocações que chegam para outras unidades.

Para a responsável pelo mosteiro de Aparecida, o motivo do crescimento na procura pela vida de clausura é facilmente explicável. “Nossa Senhora Aparecida com certeza atrai essas vocações. Para nós é uma bênção vivermos sob o manto de nossa Padroeira”, finaliza.

O Carmelo de Santa Teresinha está localizado na rua João Andrade Costa, 65, em Aparecida (SP). As missas acontecem diariamente às 7h.

 

Fonte: A12

Related Post

Deixe uma resposta

00*

00*

0

0